0

Confira 9 Motivos para não comer comida industrializada!

Preocupação com a alimentação virou rotina na nossa casa. Estudar sobre os benefícios de uma alimentação saudável e os malefícios dos excessos e de toda a comida industrializada é uma revolução e um caminho sem volta. Sabe a escolha da pílula azul? É isso. Você pode até não seguir um estilo de vida saudável, mas uma vez que aprende sobre isso, nunca mais verá comida e supostos alimentos da mesma forma.

Eu sei que a tecla em que as pessoas mais batem é a da praticidade, da falta de tempo para preparar refeições e a velha história de que “nunca viu ninguém morrer comendo Big Mac”.

Tempo é questão de adequação e você dificilmente verá alguém cair morto assim que come uma besteira, mas isso acontecerá de forma silenciosa. Achamos que não compensa.

Isso quer dizer que deixamos de consumir comida industrializada 100%? Infelizmente não. Nosso paladar assim como o de muitos foi acostumado a reconhecer todo tipo de porcaria industrializada como comida e agora vivemos um processo de reeducação alimentar. Diminuímos a quantidade das porcarias e vamos acompanhando a mudança na nossa vida.

Dê uma olhada na imagem abaixo. Comida industrializada é:

Tem mais, mas só esses já assustam! – Infográfico do Natural News, no site http://www.naturalnews.com/infographics

1 – Carregada de pesticidas;

2 – Altamente viciante;

3 – Destrói seus orgãos e ossos;

4 – É mais caro;

5 – Arruína sua digestão;

6 – Destrói sua mente;

7 – Contém muitos transgênicos (GMOs – Genetically Modified Organisms);

8 – Causa inflamações crônicas;

9 – Comida industrializada na verdade nem é comida.

Não lembro exatamente onde li a frase: “Não coma nada que sua avó não considerasse comida”. A única certeza é que é uma frase carregada de razão.

Se você não conhece o que come, não repita o discurso de que está fazendo a sua escolha. Informe-se e conheça bem sua comida, depois disso se você optar por manter um estilo de vida não saudável, aí sim, pode dizer que está fazendo uma escolha, do contrário estará apenas sendo levado com a maré.

E, PELAMORDEDEUS, não passe esse gosto terrível por besteiras para o(s) seu(s) filho(s)! 😉

Fonte da imagem: NaturalNews (através do Pinterest).

Fica a dica!

Anúncios
3

Locais para conhecer: Quiosque da Mistura Clássica

Weiss e Tripel (que nesse copo fica ESPETACULAR! - Clique aqui para acessar o site da cervejaria

As opções de lugares para beber cerveja de respeito no Rio estão ficando cada vez melhores. Há alguns meses conhecemos o quiosque da cervejaria Mistura Clássica, no Shopping Nova América. O lugar é bonito, ambientado como um bom atendimento e atraente variedade de cervejas.

Já estivemos lá umas três vezes e está comprovado: Não dá pra cansar. Para a qualidade das cervejas eles tem bons preços, boa variedade no local (e ótima quando o assunto é vender “estilo engarrafado”) e bom atendimento. Ainda tem uns petisquinhos que são um completo sucesso pra comer enquanto aprecia a experiência.

Querendo degustar, eles tem o que chamam de régua, uma prova de cada estilo de cerveja com seis copos de 90 ml em cima de uma tábua de madeira estilizada, bem legal para os iniciantes ou para provar todas de uma vez.

Particularmente, gostamos MUITO da Beatus (Tripel) que é deliciosa, ainda mais no copo personalizado da cervejaria. Em uma ocasião, também comemos um sanduiche de linguiça alemã que estava super gostoso. Bem grandinho, deu pra dividirmos tranquilamente (lógico, os mais ogros ~ como o Daniel ~ comem um inteiro fácil).

A fábrica da Mistura Clássica fica em Volta Redonda, no estado do Rio mesmo. Esperamos em breve fazer uma visita ao local e conhecer a produção e o bar da fábrica e beber até cair com todas os 8000 estilos de cerveja que eles produzem.

Aproveita e baba um pouquinho com a régua que mencionamos lá em cima:

Site oficial aqui e Facebook aqui.

Fica a dica!

5

Locais para conhecer: Botto Bar

Olá! Como foi o feriado de vocês?

O nosso foi produtivo, aproveitamos para conhecer o mais novo reduto cervejeiro do Rio, o Botto Bar. O empreendimento do mestre cervejeiro Leonardo Botto, que fica na Praça da Bandeira.

O lugar é muito bem decorado, bonito e apesar de pequeno é muito convidativo. Como estava cheio na hora em que chegamos, ficamos no balcão mesmo, mas foi tranquilo e fomos bem atendidos. Do balcão é possível ver todas as torneiras de chopp disponíveis na casa, o que aumenta a vontade de experimentar todos.

Com o diferencial de não ser apenas um bar que vende cerveja especial, até porque isso tem bastante hoje em dia. A grande sacada é que eles vendem o chopp das tais cervejas especiais e isso não encontramos em qualquer lugar.

Nesta primeira visita experimentamos quatros chopps e um típico petisco inglês, iscas da peixe e batata frita com molho tártaro. Bebida gelada e muito boa, comida gostosa e bem apresentada.

Gostaríamos de ter bebido o Botto Bier, que é uma criação do dono do bar mas não tinha… daí, fica pra próxima visita!

Um detalhe: O local é todo maneiro por dentro, o atendimento foi muito bom, mas faltou uma sinalização na fachada com o nome do estabelecimento. Mas damos um desconto por se tratar de um local aberto há pouco tempo. Só procurem antes de ir, Ok? Sem o Google Maps ‘távamos perdidos!

Quem estiver a fim de curtir um lugar legal, com música ambiente (no dia, ao menos, era um rockzinho das antigas muito bom) e boa cerveja chega lá no Botto Bar.

Ah, lá não tem cerveja “comum”, então, vá preparado pra gastar numa faixa entre 40 e 100 reais.

Onde: Rua Barão de Iguatemi, 205, Praça da Bandeira – Rio de Janeiro (rua do batalhão de polícia).

Horários: De Terça a Sábado, 17:00 – 00:00 e Domingo, 15:00 – 22:00

Fica a dica!

1

Cervejas do meu mundo afora: Bohemia Imperial

A cerva de hoje é da família Bohemia, tão conhecida do paladar tupiniquim. Desenvolvida para celebrar a abertura da fábrica para visitação, em Petrópolis. Sorte nossa em dose dupla, pela nova cerveja e pela oportunidade de conhecer o processo de produção desta bebida tão boa.

A boa impressão começa pela garrafa, que é linda e muito bem elaborada. Ficamos até com pena de jogá-la fora e está em processo de limpeza para se tornar uma linda garrafa de água pra casa. 😉

A cerveja em si, é muito boa, encorpada em com bela coloração acobreada. Tem graduação alcoólica de 5,2%, nada que te ponha bêbado muito rápido.

Vale pela experiência, pela beleza, pela comemoração e, claro, por ser mais uma cerveja a ser degustada. 🙂

Site oficial da cervejaria aqui, Facebook aqui e wiki com a história aqui.

Fonte: Brejas

Fica a dica!

0

Cervejas do meu mundo afora: Patagonia Amber Lager

Já que temos um Papa argentino e ele é o assunto do momento, resolvemos falar de: Igreja!

…Só que não. Diferente do Brasil, este é um blog laico (até o momento). Então vamos falar da  cerveja dos hermanos. Sim, hoje temos uma representante argentina que é a Patagonia Amber Lager.

Clique aqui para acessar o site da cervejaria

É leve, com coloração âmbar e pouco amargor no final, a cerveja contém 4,5% de teor alcoólico em sua versão de 740ml, temperatura ideal de consumo entre 8 e 10ºC de acordo com o rótulo. Não gera grandes surpresas. Em comparação com outras cervejas do mesmo estilo a Patagonia fica dentro da normalidade.

Agora, a pergunta: Por que dica de uma cerveja “normal”?

Bem, recomendamos pois o que para nós é algo comum, pode ser a melhor cerveja do mundo para outros. Gosto é uma coisa muito pessoal, sem contar que é sempre bom experimentar uma cerveja nova. Fora que poucas coisas são tão boas quanto o prazer de descobrir um novo sabor de cerveja! 😉

Fonte: Brejas.

Página oficial.

Fica a dica!

2

Cervejas do meu mundo afora: Leffe Radieuse

Já falamos sobre a Leffe aqui, mas fato é que não conhecíamos esta variação. Aproveitamos uma oportunidade (leia-se: promoção em uma webstore), experimentamos e super recomendamos.

A Radieuse contém cravo e coriandro, especiaria que vem da Ásia e do norte da África. O sabor e aroma frutados são intensos e com teor alcoólico de 8,2% pode deixar os menos acostumados bêbados em pouco tempo. Melhor beber para apreciação. 😀

Como já dito acima, gostamos e recomendamos imensamente que você também aproveite esta experiência.

Fonte: Brejas

Site oficial da Leffe

Fica a dica!

0

Cervejas do meu mundo afora: Blanche de Namur

Olá!

A cerveja de hoje é do estilo witbier (feita com trigo, que adoramos, mas um pouco mais leve que a weiss comum), clara, com 4,5% de teor alcoólico e com aroma e sabor frutados muito agradáveis. Nós encontramos essa gracinha engarrafada em 750 ml no Sam’s Club da Linha Amarela, aqui no Rio. Uma boa surpresa, pois não conhecíamos e após avaliar a relação de custo/benefício, levamos pra casa.

Conheça a Blanche de Namur:

A garrafa e o rótulo são bonitos, possui gosto agradável, mas alguns detalhes podemos ressaltar além das qualidades:

– Muito colarinho. Por favor cervejeiros, não nos matem, nós gostamos de um bom colarinho. Acontece que mesmo seguindo as regrinhas para servir corretamente esta cerveja e equilibrar líquido e espuma, acaba que na nossa opinião ficou espuma demais. Mas ok…

– Sabor suave. Não, não é um defeito é apenas uma nota, já que gostamos de sabores mais concentrados e fortes.

– Não é a mamãe Paulaner. Ainda não encontramos cerveja de trigo que, na nossa opinião, se compare.

Superados estes fatores e gostos pessoais, recomendamos que experimente a Blanche de Namur, da Brasserie du Bocq. Uma beleza belga pronta para ser apreciada que ganhou o posto de World’s Beer Awards de 2009 na categoria Grain-only Wheat Beer.

Ah, também é possível encontrá-la na versão 330 ml. 😉

Links e sites relacionados:

Informações no Brejas aqui.

Post sobre esta cerveja no Cervejeiros Amadores (com direito a vídeo) aqui.

Fica a dica!