0

Cervejarias do Rio: 19 Opções Exclusivamente Cariocas!

O cenário cervejeiro no Brasil teve um bom crescimento nos últimos anos e no Rio de Janeiro não foi diferente. É claro que ainda precisamos de mais cervejarias , mas temos alguns representantes respeitáveis neste mundo por aqui.

Coitado do cara, só queria fazer sua cervejinha em larga escala…

Ainda não visitamos todas as cervejarias mas já provamos alguns de seus rótulos. Segue uma lista para você conhecer e procurar a cerveja que mais gostar de cada um:

Fraga: Bebemos o chopp de trigo no Antiga Mercearia e Bar. Aprovamos! Infelizmente, não tem fábrica ou bar pra visitar, tem que procurar os lugares que recebem dela.

Antiga Mercearia e Bar: Falando nela, produz dois chopes ótimos um de trigo e um pilsen (que super recomendamos). Fica na Cobal do Humaitá, pertinho de Botafogo, com várias cervejas brasileiras e muito salgadinho e ingredientes para serem comprados por peso. Aconchegante.

Noi: Experimentamos apenas três dos sete que tem no site, mas já aprovamos! Falta atravessar a ponte ir conhecer o bar da fábrica lá em Niterói.

Röter: Lá de Barra do Piraí. Provamos a de trigo, a Pale Ale e a Summer Ale, que é ANIMAL (com uma edição especial para o restaurante Pipo, no Leblon). Daquelas pra você não passar a vida sem provar e que ficaria uma tarde inteira bebendo só ela!

Mistura Clássica: A Beatus Trippel está entre as nossas preferidas. Ela é de Volta Redonda, mas você pode dar um pulo no Shoping Nova América e conferir o quiosque que já tem uma boa variedade das MUITAS que essa cervejaria produz.

Ah, eles produzem também a Cerveja da Lapa – feita de acordo com a lei de pureza alemã e delicinha, diga-se de passagem – para o Lapa Café.

St. Gallen Conhecemos, bebemos e aprovamos praticamente todas. Faltam só algumas sazonais! 😉

Dona das marcas Therezópolis e Sul Americana (que possui uma ótima Pilsen). Tem uma “fábrica” aberta pra visitação, com bons restaurantes, lá em Teresópolis.

Three Monkeys Beer: Entrou na lista de cervejas que precisamos experimentar. A foto da Belgian Golden Ale, pelo menos, parece bonita!

Jeffrey: Encontrada mais em restaurantes e eventos, uma cerveja peculiarmente boa! As especiarias dão um gosto especial (!) a ela. Encontramos ela numa feira gastronômica que rolou lá na Lapa, demos nossas impressões neste post. Possuem uma distribuidora oficial no Humaitá.

Cidade Imperial: Lá de Petrópolis – chamada de “cervejaria do príncipe”, por fazer parte da família real que ainda vive na cidade, possui uma pilsen deliciosa! Fora as três em garrafa, que são muito boas, principalmente, a Helles!

Agora, eles tem um tour oficial, mas quando fomos, visitamos a fábrica MESMO! O técnico no local mostrou as cervejas sendo rotuladas a mão, bem artesanal mesmo. E ainda provamos o chope tirado da serpentina, na hora, ali. Perfeito.

Duas Cabeças: Ainda não tivemos a oportunidade de experimentar as três cervejas desta marca, mas uma com o nome de MaracujIPA chama a atenção! 🙂

Botto Bier: Vendida em lojas especializadas e no Botto Bar, de seu mestre cervejeiro Leonardo Botto.

Chopp Daserra: Melhor pilsen engarrafada que já provamos na vida! Cremosidade, sabor, cheiro, cor… tudo excelente! Falta acharmos aqui no Rio em algum local especializado, pois só a vimos lá em Teresópolis, numa distribuidora avulsa.

Boteco Salvação: Mais um pubzinho, onde rolam vários eventos legais e música ao vivo. Possui um chope próprio, amanteigado na medida certa. Fica em Botafogo.

Barão Bier: Dita primeira cervejaria de Nova Friburgo, mais uma que precisamos provar. É muita cerveja nesse mundo, meu Deus! O_O

Chopp Clássico: Fica lá em Triagem, bem perto do metrô e do CADEG. Sempre vemos o carro da entrega passando em frente a nossa casa, mas nunca conseguimos experimentar seus chopes, em especial, o de vinho! Só provamos chopes pavorosos de vinho, esperamos que este valha a pena!

Caborê: Fomos em Paraty pro Festival da Cachaça e não sabíamos desta cervejaria! Precisamos voltar pra provar (tanto a nova cerveja como as boas cachaças do local). 😉

Pe’Ahi: A “cerveja da onda”, uma Amber Ale bem gostosinha! Recomendamos ir no restaurante de mesmo nome, nem que seja apenas para prová-la. Tem unidades no Shopping Tijuca, na Barra e na Gávea.

Das grandes, para não falar que não mencionamos:

Bohemia: Vale a pena conhecer o tour, que conta a história da cerveja e das muitas marcas que passaram pelo Brasil. A sua cerveja de trigo vale pelo custo/benefício. A confraria tem um gosto todo especial, que vale muito seu investimento. E boa desculpa pra visitar Petrópolis.

Itaipava: Dá pra visitar a fábrica do Grupo Petrópolis mesmo e ver a produção em larga escala! Máquinas gigantescas, passando, limpando, rotulando e enchendo garrafas de um lado para o outro. Parece aqueles episódios de desenhos antigos, muito maneiro! Fora que, no final do tour, provamos os MELHORES CHOPES DE NOSSAS VIDAS!

E como é da Itaipava, pode até achar suspeita nossa opinião, mas te afirmo: Aqueles chopes tirados no final do tour não são os que vendem pro consumidor final, fato! O pilsen estava perfeito e o black era A PERFEIÇÃO SUPREMA! Dá água na boca só de lembrar a cremosidade daquele chope.

Eles possuem as marcas Weltenburger Kloster, Petra, Black Princess e a Lokal Bier. Ah, e adivinha onde que a cervejaria fica? XD

…Ufa, terminamos!

Conhece alguma cervejaria que deixamos de listar? Conte pra nós nos comentários.

E pra finalizar:

Vamos atrás de todas! 😀

Fica a dica!

1

Cervejas do meu mundo afora: Pe’Ahi – A Cerveja da Onda!

Estávamos nós em um dia avulso subindo as infinitas escadas rolantes até o cinema do shopping Tijuca e avistamos o anúncio com uma marca chamada Pe’Ahi nas portas dos elevadores (que dão para as escadas), com uma garrafa na frente.

Humm. Guardamos essa informação pra depois da sessão pipoca.

Depois do filme fomos atrás do local que anunciava a tal cerveja. É um restaurante japonês que havia sido inaugurado há relativamente pouco tempo no shopping, pelo que percebemos já tinha um na Barra e um na Gávea. Eles lançaram uma cerveja própria homônima.

Curiosidade e a oportunidade bateram juntas, fomos lá experimentar. Bem gostosinha, mantém um amargor controlado e gostoso no final em seus 6% de graduação alcoólica; Seu rótulo leva a classificação de Amber Ale.

Segue a descrição da cerveja dada pelo restaurante em uma página do Facebook:

“A cerveja criada pelo mestre cervejeiro Pedro Bevilaqua de Lucca junto com os sócios do restaurante, é produzida a partir de quatro tipos de malte da Bélgica, que conferem à Pe’Ahi sua belíssima cor, seu sabor e aroma de malte. Duas variedades de lúpulo (Humulus Lupulus, planta da mesma família da Cannabis Sativa L.) proporcionam seu doce amargor e seus aromas florais e cítricos, provenientes de uma maturação longa e do processo de “dry-hoppings”. Totalmente natural e artesanal, encorpada, sem aromatizante, corante e conservante e com percentual alcoólico de 6%.”

O preço dela é aquele típico de bar e restaurante, mas como se trata de uma criação exclusiva, você terá que ir ao restaurante para prová-la. Como a experiência para nós foi muito boa, recomendamos a Cerveja da Onda! 🙂

E só pra terminar com uma graça:

Por Adão Iturrusgarai, Pai da Aline

Fica a dica!

PS: Se, só pela curiosidade, quiser saber da onde vem esse nome, só clicar aqui.