0

Uruguai: Um dia em Colônia del Sacramento

Após definir Buenos Aires como destino da nossa lua-de-mel, conversamos bastante com amigos que já tinham feito a mesma viagem e lemos bastante em blogs especializados sobre o local. Com isso, descobrindo que muitas pessoas que visitam a capital argentina acabam esticando para um dia em Colônia del Sacramento, uma charmosa cidade do Uruguai, separada de Buenos Aires pelo Rio da Prata.

Mapa em um dos prédios históricos!

Viajamos para a Argentina pensando que seria o máximo ir até lá, mas não tivemos certeza até checar os valores com a empresa de turismo chamada Seacat (foi o melhor orçamento entre as poucas que vimos) e comprovar que dava pra bancar o dia em Colônia. Compramos as passagens de ida e volta por mais ou menos 700 pesos argentinos por cada um e  com opção de sair bem cedinho de Buenos Aires (8h00) e voltar bem no fim do dia (20h00).

É preciso chegar ao terminal Buquebus com pelo menos duas horas de antecedência do horário de saída do barco. Isso é necessário por que temos que passar pelo serviço de imigração pois, mesmo o trajeto sendo curto, trata-se de uma viagem internacional. Assim como na Argentina, no Uruguai não há exigência de visto ou passaporte para brasileiros, porque todos fazemos parte do Mercosul.

Mas uma dica a parte que damos a vocês é: tire o passaporte. Nós sabemos que é um gasto a mais para quem vai viajar, mas vale mais apena. Tanto para entrar na Argentina quanto no Uruguai foi muito mais tranquilo por que tínhamos um documento reconhecido em ambos os países.

Mas voltando ao dia em Colônia, partimos um pouquinho depois das oito da manhã e levamos exatamente uma hora para chegar à cidade. O barco em que fomos era uma espécie de catamarã de luxo, bem legal. Na embarcação, além de TV, há uma lanchonete e um Duty Free. Nem precisa dizer que passamos um tempinho muambando por lá, né? 😉

Consumo sem taxas, super curtimos!

Chegando em Colônia, desembarcamos e o terminal parece um mini aeroporto, com lojinhas, um centro de informação (que estava vazio e sem mapas da cidade), serviço de câmbio e venda de pacotes de passeio pela cidade. Tiramos umas fotos de uns mapas na parede e saímos. Para nossa sorte logo na saída decidimos entrar em uma espécie de centro cultural e lá tinham mapas da cidade e até vimos uma apresentação multimídia da história do Uruguai, por módicos R$ 6 por pessoa.

Com mapa na mão, era hora de explorar a cidade, que antes de ser colônia espanhola, foi portuguesa e ficou numa briga durante algum tempo até que finalmente a Espanha dominou.

Tudo muito bonito, com um clima calmo de cidade pequena.

As ruas e as casas são lindas, um ar bucólico de cidade pequena que encantou. Um cão de rua nos acompanhou durante algum tempo, depois ele encontrou amigos cães e foi brincar.

Aqui, abrimos uma lista rápida de coisas que observamos:

1 – Os cães de rua de lá são lindos e enormes. Uma particularidade é que todos eles tem pelos compridos independente da raça. Achamos que é por causa do frio absurdo;

2 – Os motoristas da cidade são muito educados. Tanto que não há sinal de trânsito nem nos cruzamentos;

3 – Até o momento, o câmbio é muito favorável para quem leva real e dólar.

Voltando: Visitamos os principais pontos turísticos da cidade, fizemos muitas fotos, comprinhas e achamos um restaurante pra comer um bom churrasco uruguaio, que não nos decepcionou. A grata surpresa do restaurante foram as cervejas do cardápio e elas ganharão um post a parte.

Depois do almoço, mais andança e mais fotos, pausa para um sorverte (mesmo com o frio), conhecemos o shopping e um mercado (que também tinha muitas cervejas diferentes). Na volta ao centro da cidade um rapaz nos abordou para oferecer marijuana… achamos engraçado, mas recusamos educadamente, mesmo o rapaz insistindo e dizendo que lá é liberado. Sim, nós sabemos que é, mas além de nenhum de nós fumar, não compraríamos no meio da rua (que certamente não é uma prática legal).

Já era meio da tarde, ia ter jogo do Uruguai e nós voltávamos ao Centro Histórico para fazer hora até a volta para Buenos Aires. Foi quando avistamos uma placa discreta apontando para uma cervejaria artesanal chamado Barbot. Foi quase como se ouvíssemos uma musiquinha angelical – Quem curte cerveja artesanal sabe como é – e assim, no meio do nada, sem pesquisar! Foi uma grata surpresa. Lá fomos nós provar novas cervas e torcer pelo Uruguai. 😀

Uruguaio é engraçadinho, né?

Coincidentemente, neste dia a seleção do Uruguai ganhou e acompanhamos a euforia de todos que saíram às ruas para comemorar. Eles estavam convictos de que chegariam a final para repetir a vitória da copa de 50 no Maracanã. Foi bem legal ver a alegria das pessoas, especialmente das crianças, que mesmo naquele frio, comemoravam a vitória do seu país.

Festa da torcida uruguaia pós-vitória, bem animada, no estilo dos brasileiros!

Por fim, voltamos pro catamarã para retornar à Argentina, aproveitando mais uma horinha completa de Duty Free! 😉

Olha, vale muito a pena visitar! Isso porque não fomos a Montevidéu nem outras cidade do Uruguai, que ficaram pruma próxima viagem! 🙂

Fica a dica!

Anúncios
0

Cervejas do meu mundo afora: Budweiser (Edição da Copa)

A Copa acabou (graças a Deus), mas ainda temos algo a dizer sobre ela… E não é sobre a humilhação sofrida em casa.

Há alguns posts atrás falamos da Brahma Seleção Especial e sobre como ela não tem nada de especial…pois bem, a Budweiser sendo uma das 935 mil empresas patrocinadoras do evento, resolveu lançar uma versão especial para a Copa também.

Nós voltávamos de Buenos Aires, marotos e despretensiosos, quando vimos no Dutty Free uma embalagem bonita da cerveja custando cinco doletas americanas e decidimos levar. É claro que já não esperávamos nada de especial, mas gente? As cervejarias bem que podiam dar uma diminuída no milho, na aguaceira e seja lá mais o que for que eles usam pra fazer a cerveja render, nem que fosse apenas para a tal da edição especial. Mas pra que, não é mesmo?

Budweiser como edição da Copa 2014 – Tão normal quanto a padrão, mas numa garrafa bonita…

A embalagem é bonita, mas a cerveja é tão comum quanto qualquer Budweiser que você já bebeu. Então se agora depois da copa você a encontrar em alguma promoção custando beeem barato, compre. Mas se ainda for vendida como “edição especial” saiba que não vale nada disso e não tem nada de especial a não ser uma garrafa bonitinha – Ah, e uma tampinha diferente pra coleção.

Fica a dica! 😉

0

Dicas de viagem: Buenos Aires

Olá, meu povo e minha pova, voltamos! Estávamos muito ocupados com nosso casório e a ressaca do vexame da copa mas, vamos mais uma vez voltar com algumas dicas baseadas nas nossas experiências e em coisas que achamos legal por esse mundão bão das internets! 😉

Sem mais delongas, sigamos!

Passado nosso casório (que foi lindo, diga-se de passagem), seguimos para a nossa tão esperada viagem de lua-de-mel em Buenos Aires. Contrariando o grande número de pessoas que nos disseram que BA é uma cidade horrível, encontramos nada mais que uma cidade bela, com gente que foi educada e prestativa.

Galerias Pacifico na Calle Florida!

Buenos Aires é a capital da Argentina e conta com uma boa estrutura. Ficamos lá durante sete dias e acompanhamos a movimentação durante a semana e foi muito legal. Tem tanta coisa e tanta dica, que será necessário mais que um post para dar conta. Então vamos começar com a dica de hospedagem e locomoção pela cidade.

1 – Escolha o Centro da cidade para se hospedar. Não se assuste. Para quem mora no Rio, essa pode parecer uma péssima ideia. Mas para BA, que tem muitos moradores no Centro, torna o local movimentado de pessoas, transporte e serviços (acreditamos que também pesa o fato de ser a capital do país, então o policiamento é bem presente). Estar no Centro da cidade te deixará muito próximo a muitos pontos turísticos mesmo a pé. A Casa Rosada, o Obelisco e Puerto Madero são apenas alguns exemplos. 😉

A Casa Rosada, à noite, ainda tem uma iluminação linda!

2 – Ande a pé! A cidade é linda, cheia de prédios históricos, diferentes estilos arquitetônicos, praças e monumentos. Apesar do transporte por táxi, metrô e ônibus ser barato (em relação aos nossos padrões), limitar sua locomoção a esses meios fará com que você perca grande parte da graça de estar lá;

2.1 – O metrô é super barato, mas eles se interligam apenas na casa rosada, que é bem no centro da cidade mesmo. Elas se abrem como uma teia de aranha (uma linha se distanciando da outra), portanto, se for utilizar, planeje seu itinerário de antemão. Taxis também são ótimas opções, mais baratos que no Rio.

2.2 – Os ônibus devem ser tranquilos pros argentinos, mas nem conseguimos utilizar, pois só aceitam moedas e quase não andávamos com trocados assim, apenas em notas! E como eles só tem um motorista que não tem função dupla diferente daqui… =/

3 – Fique de olho nos seus pertences. Nos sentimos muito seguros na cidade, nada comparado ao clima de tensão e medo que vivem os cariocas com a violência escandalosa e crescente daqui. Buenos Aires não tem isso, mas viajantes mais experientes e profissionais de turismo alertam para batedores de carteira, que se aproveitam dos momentos de distração dos turistas. Não precisamos ficar neuróticos, mas como estávamos em dupla, sempre prestávamos atenção ao redor, principalmente quando alguém nos parava na rua (grande parte da vezes para oferecer passeios turísticos ou show de tango – principalmente na rua Florida, uma chatice igual aos caras que ficam se oferecendo pra comprar ouro e jóias no centro, só que com abordagem direta! ¬_¬ Fora isso, a rua é ótima pra garimpar coisas de qualidade e baratinhas! 😀 ). Nada nos aconteceu, mas acreditamos ser uma medida necessária em qualquer lugar do mundo;

4 – Procure por mapas da cidade em pontos de informação turística, no aeroporto ou no seu hotel. São muito úteis e depois ficam de recordação da viagem. Se preferir use o GPS do celular – Paramos em vários lugares com internet (principalmente, o Starbucks) e dávamos um bizu nos mapas para nos localizarmos! Google Maps é o que há! 😉

Um mapa bem básico do metrô de BA!

Por enquanto, é só, mas voltamos com mais aleatoriedades sobre a viagem, a vida, o universo e tudo mais!

E só pra não perder o timing:

Brasil – 5 / Argentina – 2 – Sem mais.

Fica a dica!

0

Onde tem Brahma, tem festa! E que venha a copa de 2014!

Exageros a parte (em relação ao modo como o brasileiro vai lidar com a Copa do Mundo), uma campanha da Brahma em especial ficou muito boa. Como já falamos antes, esta cervejinha experta figura entre as nossas queridinhas (das básicas, lógico) e concordamos com o espírito da marca!

Aproveite o calor digno de verão que está fazendo por aí e abra uma Brahma estupidamente gelada!

E para não perder a viagem, clique na imagem ao lado e ajude a escolher um nome pro mascote da nossa copa de 2014. Bem, pelo menos, você pode ajudar a escolher o menos pior, né? XP

Fica a dica!