0

Cervejas do meu mundo afora: Petra Pilsen

Faz tempo que ela chegou ao mercado, mas só agora tivemos a oportunidade de experimentar.

Padrão Brasil. Nada mais, nada menos (Graças a Deus XD).

Esperávamos algo do estilo da Itaipava e graças a Deus foi diferente. A cerveja é boazinha, no estilo do que temos de comum por aqui, Brahma, Antártica, ETC. Boa praquela churrascada de final de semana, onde vale mais a quantidade do que a qualidade. 😉

Experimentem!

Fica a dica!

0

Cervejas do meu mundo afora: Colônia Negra

A surpresa foi grande em encontrar essa cerveja. Nós já conhecíamos a Colônia Pilsen, que encontramos na Feira de São Cristóvão, mas não imaginávamos encontrar outros rótulos aqui no RJ.

Tipo Stout. TIPO. Enough said.

Confesso que foi com grande desconfiança que a levamos pra casa, mas a surpresa foi razoavelmente boa. É realmente uma Stout que merece ser conhecida e degustada, principalmente pelo seu custo/benefício. Compensa para quem gosta de cerveja escura e não quer o super doce de uma Malzbier (Que, na nossa opinião: Blergh! XP)

Encontramos também no último fim de semana, mas foi comprada no supermercado Intercontinental de Coelho Neto (perto da estação do metrô com mesmo nome). Sim, nós andamos pra caramba e sempre que podemos damos um “confere” nos mercados próximos em busca de novidades. E, em geral, vale a pena! 😉

Fica a dica!

0

Cervejas do meu mundo afora: Manneken Pils

A cerveja de hoje foi descoberta por acaso no supermercado Prix da Tijuca, na Rua Conde de Bonfim (visitem, tem cerveja que não acaba mais!) e é perfeita para os dias quentes que temos enfrentado.

A surpresa com o seu ótimo sabor foi enorme, com apenas 5% de teor alcoólico, é uma cerveja gostosa e fácil de ser apreciada. Em sua lista de ingredientes constam água, malte, lúpulo, milho e leveduras. Amigos, confiem, o sabor é ótimo. O slogan “The Belgian Spirit” é verdadeiro, pois até agora nunca provamos uma cerveja belga de que não tenhamos gostado.

Manneken Pils, da cervejaria Lefebvre:

Mermão, parece uma lager com um gosto delicioso! Viva o espírito belga! 😀

São 330ml de boa cerveja por R$ 4,90 e valeu a pena. Corre pro Prix da Tijuca pra aproveitar.

Fica a dica!

0

Cervejarias do Rio: 19 Opções Exclusivamente Cariocas!

O cenário cervejeiro no Brasil teve um bom crescimento nos últimos anos e no Rio de Janeiro não foi diferente. É claro que ainda precisamos de mais cervejarias , mas temos alguns representantes respeitáveis neste mundo por aqui.

Coitado do cara, só queria fazer sua cervejinha em larga escala…

Ainda não visitamos todas as cervejarias mas já provamos alguns de seus rótulos. Segue uma lista para você conhecer e procurar a cerveja que mais gostar de cada um:

Fraga: Bebemos o chopp de trigo no Antiga Mercearia e Bar. Aprovamos! Infelizmente, não tem fábrica ou bar pra visitar, tem que procurar os lugares que recebem dela.

Antiga Mercearia e Bar: Falando nela, produz dois chopes ótimos um de trigo e um pilsen (que super recomendamos). Fica na Cobal do Humaitá, pertinho de Botafogo, com várias cervejas brasileiras e muito salgadinho e ingredientes para serem comprados por peso. Aconchegante.

Noi: Experimentamos apenas três dos sete que tem no site, mas já aprovamos! Falta atravessar a ponte ir conhecer o bar da fábrica lá em Niterói.

Röter: Lá de Barra do Piraí. Provamos a de trigo, a Pale Ale e a Summer Ale, que é ANIMAL (com uma edição especial para o restaurante Pipo, no Leblon). Daquelas pra você não passar a vida sem provar e que ficaria uma tarde inteira bebendo só ela!

Mistura Clássica: A Beatus Trippel está entre as nossas preferidas. Ela é de Volta Redonda, mas você pode dar um pulo no Shoping Nova América e conferir o quiosque que já tem uma boa variedade das MUITAS que essa cervejaria produz.

Ah, eles produzem também a Cerveja da Lapa – feita de acordo com a lei de pureza alemã e delicinha, diga-se de passagem – para o Lapa Café.

St. Gallen Conhecemos, bebemos e aprovamos praticamente todas. Faltam só algumas sazonais! 😉

Dona das marcas Therezópolis e Sul Americana (que possui uma ótima Pilsen). Tem uma “fábrica” aberta pra visitação, com bons restaurantes, lá em Teresópolis.

Three Monkeys Beer: Entrou na lista de cervejas que precisamos experimentar. A foto da Belgian Golden Ale, pelo menos, parece bonita!

Jeffrey: Encontrada mais em restaurantes e eventos, uma cerveja peculiarmente boa! As especiarias dão um gosto especial (!) a ela. Encontramos ela numa feira gastronômica que rolou lá na Lapa, demos nossas impressões neste post. Possuem uma distribuidora oficial no Humaitá.

Cidade Imperial: Lá de Petrópolis – chamada de “cervejaria do príncipe”, por fazer parte da família real que ainda vive na cidade, possui uma pilsen deliciosa! Fora as três em garrafa, que são muito boas, principalmente, a Helles!

Agora, eles tem um tour oficial, mas quando fomos, visitamos a fábrica MESMO! O técnico no local mostrou as cervejas sendo rotuladas a mão, bem artesanal mesmo. E ainda provamos o chope tirado da serpentina, na hora, ali. Perfeito.

Duas Cabeças: Ainda não tivemos a oportunidade de experimentar as três cervejas desta marca, mas uma com o nome de MaracujIPA chama a atenção! 🙂

Botto Bier: Vendida em lojas especializadas e no Botto Bar, de seu mestre cervejeiro Leonardo Botto.

Chopp Daserra: Melhor pilsen engarrafada que já provamos na vida! Cremosidade, sabor, cheiro, cor… tudo excelente! Falta acharmos aqui no Rio em algum local especializado, pois só a vimos lá em Teresópolis, numa distribuidora avulsa.

Boteco Salvação: Mais um pubzinho, onde rolam vários eventos legais e música ao vivo. Possui um chope próprio, amanteigado na medida certa. Fica em Botafogo.

Barão Bier: Dita primeira cervejaria de Nova Friburgo, mais uma que precisamos provar. É muita cerveja nesse mundo, meu Deus! O_O

Chopp Clássico: Fica lá em Triagem, bem perto do metrô e do CADEG. Sempre vemos o carro da entrega passando em frente a nossa casa, mas nunca conseguimos experimentar seus chopes, em especial, o de vinho! Só provamos chopes pavorosos de vinho, esperamos que este valha a pena!

Caborê: Fomos em Paraty pro Festival da Cachaça e não sabíamos desta cervejaria! Precisamos voltar pra provar (tanto a nova cerveja como as boas cachaças do local). 😉

Pe’Ahi: A “cerveja da onda”, uma Amber Ale bem gostosinha! Recomendamos ir no restaurante de mesmo nome, nem que seja apenas para prová-la. Tem unidades no Shopping Tijuca, na Barra e na Gávea.

Das grandes, para não falar que não mencionamos:

Bohemia: Vale a pena conhecer o tour, que conta a história da cerveja e das muitas marcas que passaram pelo Brasil. A sua cerveja de trigo vale pelo custo/benefício. A confraria tem um gosto todo especial, que vale muito seu investimento. E boa desculpa pra visitar Petrópolis.

Itaipava: Dá pra visitar a fábrica do Grupo Petrópolis mesmo e ver a produção em larga escala! Máquinas gigantescas, passando, limpando, rotulando e enchendo garrafas de um lado para o outro. Parece aqueles episódios de desenhos antigos, muito maneiro! Fora que, no final do tour, provamos os MELHORES CHOPES DE NOSSAS VIDAS!

E como é da Itaipava, pode até achar suspeita nossa opinião, mas te afirmo: Aqueles chopes tirados no final do tour não são os que vendem pro consumidor final, fato! O pilsen estava perfeito e o black era A PERFEIÇÃO SUPREMA! Dá água na boca só de lembrar a cremosidade daquele chope.

Eles possuem as marcas Weltenburger Kloster, Petra, Black Princess e a Lokal Bier. Ah, e adivinha onde que a cervejaria fica? XD

…Ufa, terminamos!

Conhece alguma cervejaria que deixamos de listar? Conte pra nós nos comentários.

E pra finalizar:

Vamos atrás de todas! 😀

Fica a dica!

0

Cervejas do meu mundo afora: Zehn Bier Pilsen

Achamos justo começar a semana com uma boa dica de experiência cervejeira para vocês já irem procurando e programando o fim de semana (lembrando que só estamos na segunda, então, tem tempo pra procurar 😉 ):

DSC_0098

A cerveja de hoje é a Zehn Bier Pilsen, que tivemos a oportunidade de comprar em uma loja no CADEG por um preço atraente. Esta representante do estilo Pilsen é muito bem produzida e não deixa a desejar no sabor, o que sempre nos faz pensar por que diabos a Ambev insiste em colocar no mercado cervejas tão pouco atraentes ao cliente. E não existe desculpa do custo/preço, porquê tá aí a Germânia pra botar esse mito por terra. Com 4,6% de teor alcoólico em 500ml, a cerva foi bem aproveitada por nós.

Além do CADEG, já vimos a Zehn sendo vendida no Mundial. Mas preste mais atenção se for comprar no supermercado, pois tivemos o desprazer de encontrar esta mesma marca vencida lá… :/

Fica a dica!

2

London Beer House: Um Bom Pub na Zona Norte do Rio!

Como hoje é sexta e acabamos de ter uma boa experiência num local novo, vamos compartilhar com vocês.

Difícil resistir a uma boa oferta, compramos um cupom para consumo de seis chopps mais uma costela suína ao molho barbecue com batata frita. O que mais chamou atenção foram os seis chopps, que estavam divididos em duplas para os três tipo da cervejaria Noi, trigo, pilsen e stout (porque, por mais que a promoção me diga, nada me convence que aquilo era dunkel).

Cerveja de trigo e todo o sabor delicioso que o estilo representa! 🙂

Uma pilsen artesanal bem comum, nenhum destaque.

Gostinho de café delicioso, sem ser forte!

O ambiente é bonito, bem decoradinho e tem uma programação de música ao vivo separada por estilo pra cada dia da semana. O atendimento foi muito bom também. A costela foi uma surpresa a parte, pois a foto da oferta mostrava uma porção muito menor que a que foi, de fato, servida a nós. Ponto pra casa!

Cara, a foto não faz jus… O prato era 2/3 da largura da mesa! O_O

Já faz um tempo que queremos conhecer a cervejaria Noi (que fica em Niterói), mas até agora não tivemos a oportunidade. A ida ao pub facilitou isso e pudemos experimentar três de seus chopes. A comida também estava ótima e nos serviu extremamente bem. Demos uma olhada no cardápio, os preços são de um pub comum e eles tem uma carta de cerveja bem maneirinha.

A localização também é tranquila. Fica na Vila da Penha, na esquina da Rua Ápia com a Av. Brás de Pina e próximo ao metrô de Vicente de Carvalho. De lá, tem muitas linhas de ônibus que deixam praticamente na porta e te evitam a fadiga. 😉

Se quiser ver o trajeto no Google Maps e as linhas que passam por lá, só clicar aqui.

Além de ter sido por um bom preço devido a promoção, a qualidade do serviço, local, chopps e comida agradaram muito. Esperamos voltar em breve.

Fica a dica!

3

Cervejas do meu mundo afora: (Algumas) Cervejas do Uruguai

Embora tenhamos passado apenas um dia em Colônia, foi um dia produtivo nas descobertas cervejeiras, como o da cervejaria uruguaia Barbot. Assim como fizemos com o post das cervejas que encontramos em Buenos Aires, segue um compilado dos rótulos encontrados na terra do Mujica.

O destaque fica para as três Mastras que provamos no restaurante do nosso almoço. Destas, duas são tão boas que figuram atualmente na lista das que gostamos muito entre as que experimentamos nessa vida! A cervejaria fica em Montevidéu, local que esperamos conhecer em breve. A American Stout é o padrão comum de boas cervejas do estilo, mas nada especial. Agora, sem palavras pra descrever o quanto a Golden Ale e a Scottish Ale são deliciosas!

Sem sacanagem, estas cervejas são EXTREMAMENTE GOSTOSAS!

No mesmo restaurante provamos a Grolsh, que também é muito boa e parece bastante com duas representantes da República Tcheca que já bebemos.

Mais comum, mas bem gostosinha, American Stout da Mastra e a Grolsh, uma lager com gosto marcante!

Detalhe: Desconfiamos levemente que a Pilsen (cervejaria, não o estilo de cerveja) e a Quilmes pertençam ao mesmo dono. Deduzimos isso pois em Buenos Aires provamos diversas Quilmes e em Colônia, a Pilsen curiosamente possui uma gama de cervejas e estilos muito próxima da concorrente argentina. Como os países cultivam uma certa rivalidade, se nossas suspeitas forem reais, foi uma boa estratégia para não perder o público dos dois países.

Fiquem com as cervejas:

Pilsen Sonic – Feita com a técnica de dry hopping, delicinha!

Zillertal – Estilo parecido com a Grolsh, por sinal, similar a outras duas tchecas que tomamos

Pilsen 7 Grados – Te lembra alguma? **cough, Quilmes Night 6.9, cough**

Patricia versão Dunkel! Nada muito espetacular, mas pra provar uma que não vemos no RJ, tá valendo! 😉

Pilsen Ambar – Daquelas red ales que você passaria uma noite inteira tomando de boa com os amigos!

Em um mercado uruguaio – A variedade não era tanta quanto a dos argentinos, mas tinha o suficiente para nos entreter pelo dia! 😀

Fica a dica!

0

Cervejarias argentinas: Buller Pub and Brewery

Chegou o momento de falar sobre as cervejarias e bares com cerveja própria que encontramos em Buenos Aires.

Bons estilos de cerveja, provamos todos…

Depois de passear no charmoso bairro da Recoleta e conhecer o famoso cemitério onde está o túmulo da Evita, fomos procurar um lugar pra comer algo e assistir ao jogo da Copa do dia. Encontramos o Buller, que tem uma ótima régua de degustação de suas produções cervejeiras.

…Numa régua muito da bonita! A de trigo e a honey beer são demais! 😀

O ambiente é muito agradável e bem decorado, as cervejas são ótimas e a comida também não deixa a desejar. No dia em que fomos os Estados Unidos estavam jogando e parecia que todo o bar, exceto por nós e uns poucos argentinos, havia sido tomado por yankees empolgados gritando: “U-S-A, U-S-A, U-S-A!”. Foi divertido! 🙂

Se estiver em Buenos Aires, recomendamos que conheça. O Buller está localizado do outro lado da praça em frente ao cemitério da Recoleta, em uma calçada com muitos bares e restaurantes.

Buller Brewing Company

 Fica a dica!

0

Dicas de viagem: (Algumas das) Cervejas de Buenos Aires, Argentina

É de conhecimento de vocês o quanto gostamos de cerveja. Sempre que vamos viajar damos aquela procurada para saber como é o cenário cervejeiro do local e até agora tivemos boas surpresas. Em Buenos Aires não foi diferente. Fomos dispostos a conhecer uma espécie de rodízio de cerveja que acompanhava todo um jantar com a ingredientes relacionados (mas esse é assunto para um post exclusivo) e nada mais além disso, pois com a correria do casamento não chegamos a fazer uma pesquisa vasta sobre o tema.

Patagônia Weisse – Cerveja de trigo com respeito!

A surpresa foi muito boa. Já na feira de San Telmo (nossa primeira parada) encontramos um mini mercado com uma boa variedade de cervejas e muitos tipos da nossa já conhecida Quilmes, que aqui infelizmente só vemos a Cristal, que é a mais comum.

Imperial Scotch Ale – Tem um “quê” de whiskey por conta do estilo, bem gostosinha!

Outro bônus foi ver que a maioria dos rótulos que encontramos eram vendidos em garrafa de 1L retornável. Fizemos o investimento inicial de cinco pesos argentinos e compramos a garrafa, depois era só comprar as cervejas e ser feliz. Encontramos tanta cerveja diferente das que temos aqui que não deu tempo de experimentar todas, mas nos esforçamos bastante. Por isso fica difícil fazer um post específico para cada cerveja degustada, então decidimos fazer um apanhadão com algumas que provamos.

Stella Artois Noire – Uma Stella escura! Nada de mais, mas melhor do que qualquer malzbier do Brasil!

Também conhecemos algumas cervejarias e locais que vendiam cerveja própria e para estes faremos posts especiais. Aguardem! 😉

Nós sabemos que vinho é o grande lance dos argentinos, mas o nosso é a cerveja e nesse quesito os hermanos não nos decepcionaram. Precisaremos voltar para provar todas as outras que faltaram. Nossa dica é para que você que curte cerveja como nós, vá disposto a beber e entre nos mercadinhos que encontrar pela rua, sempre tem coisa nova. Além dos pequenos mercados, a rede Carrefour também tem uma boa variedade de cervejas. Até um mercado local chamado Dia tem uma cerveja própria.

Dia – Uma lager comum, do dia-a-dia! 😉

Os preços também foram bem convidativos, já que na conversão de dólar ou real para peso, saia um preço bem em conta por cada litro de cerveja.

Quilmes Night 6.9 – bem gostosinha, a garrafa foi feita pra brilhar na balada, muito maneira!

Descobrimos que assim como em muitos outros aspectos, o Brasil está atrasado no cenário cervejeiro e não é por falta de bons rótulos e produtores, que aqui temos muitos e muito bons, mas pela falta de incentivo. Principalmente o incentivo fiscal que torna a produção de cerveja artesanal tão cara e difícil de ser disseminada. :/

Bom, pra finalizar, mais algumas:

Corona – Até a cerveja mais básica mexicana dá de 10 a 0 em qualquer pilsen brasileira!

Imperial Amber Lager – Ótima, uma ruiva de respeito!

Quilmes Bock – Não é a melhor no estilo mas, de novo, melhor do que qualquer brasileira básica.

Isenbeck – Boa pilsen, representa bem o estilo!

Quilmes Stout – Cerveja escura da Quilmes, boazinha. E só.

Schneider – Lager que ganhamos num pedido de empanadas! Para experimentar, está valendo!

Se for a Buenos Aires, não vai faltar opção de cerveja boa! 😉

Mermão, é um mundo de cervejas argentinas! O_O

Fica a dica!

13

Cervejas do meu mundo afora: Germânia 55

Faz um tempinho que experimentamos esta cerva pela primeira vez mas como ela cruzou nosso caminho recentemente, resolvemos compartilhar a dica.

Podemos afirmar que é uma das melhores relações de custo/benefício que encontramos até o momento. A cerveja é classificada como Pilsen, mas passa longe do que conhecemos do “padrão Ambev”. Pra você ter uma noção, bebemos ela completamente quente, e mesmo assim, ela é extremamente gostosa!

Tem um gosto amanteigado muito bom, no estilo do Chope do Boteco Salvação e o Chopp Daserra mas, infelizmente, com um pouquinho menos colarinho. O teor alcoólico é básico, 4,5%, o que torna muito mais agradável poder bebê-la por mais tempo sem cair por aí. 😀

Nós a encontramos recentemente no supermercado Extra por R$ 4, sendo que é uma lata de 710 ml. Tendo em vista que, atualmente, você acha nos mercados uma lata de Antártica de 350 ml por quase 2 reais… Entendeu o custo/benefício? 😉

Recomendamos muito que você compre esta cerveja. De preferência por um bom preço, que foi o nosso caso. Nós a encontramos por um preço legal também no Pão de Áçucar.

Esta é uma excelente opção para estes dias agoniantes de verão. Acabamos por descobrir no site da cervejaria que eles tem outros rótulos disponíveis, então seguimos na nossa missão de experimentar o máximo de cervejas possíveis, agora com uma lista maior. Te desejamos o mesmo! 🙂

Fica a dica!