0

Cervejarias do Rio: 19 Opções Exclusivamente Cariocas!

O cenário cervejeiro no Brasil teve um bom crescimento nos últimos anos e no Rio de Janeiro não foi diferente. É claro que ainda precisamos de mais cervejarias , mas temos alguns representantes respeitáveis neste mundo por aqui.

Coitado do cara, só queria fazer sua cervejinha em larga escala…

Ainda não visitamos todas as cervejarias mas já provamos alguns de seus rótulos. Segue uma lista para você conhecer e procurar a cerveja que mais gostar de cada um:

Fraga: Bebemos o chopp de trigo no Antiga Mercearia e Bar. Aprovamos! Infelizmente, não tem fábrica ou bar pra visitar, tem que procurar os lugares que recebem dela.

Antiga Mercearia e Bar: Falando nela, produz dois chopes ótimos um de trigo e um pilsen (que super recomendamos). Fica na Cobal do Humaitá, pertinho de Botafogo, com várias cervejas brasileiras e muito salgadinho e ingredientes para serem comprados por peso. Aconchegante.

Noi: Experimentamos apenas três dos sete que tem no site, mas já aprovamos! Falta atravessar a ponte ir conhecer o bar da fábrica lá em Niterói.

Röter: Lá de Barra do Piraí. Provamos a de trigo, a Pale Ale e a Summer Ale, que é ANIMAL (com uma edição especial para o restaurante Pipo, no Leblon). Daquelas pra você não passar a vida sem provar e que ficaria uma tarde inteira bebendo só ela!

Mistura Clássica: A Beatus Trippel está entre as nossas preferidas. Ela é de Volta Redonda, mas você pode dar um pulo no Shoping Nova América e conferir o quiosque que já tem uma boa variedade das MUITAS que essa cervejaria produz.

Ah, eles produzem também a Cerveja da Lapa – feita de acordo com a lei de pureza alemã e delicinha, diga-se de passagem – para o Lapa Café.

St. Gallen Conhecemos, bebemos e aprovamos praticamente todas. Faltam só algumas sazonais! 😉

Dona das marcas Therezópolis e Sul Americana (que possui uma ótima Pilsen). Tem uma “fábrica” aberta pra visitação, com bons restaurantes, lá em Teresópolis.

Three Monkeys Beer: Entrou na lista de cervejas que precisamos experimentar. A foto da Belgian Golden Ale, pelo menos, parece bonita!

Jeffrey: Encontrada mais em restaurantes e eventos, uma cerveja peculiarmente boa! As especiarias dão um gosto especial (!) a ela. Encontramos ela numa feira gastronômica que rolou lá na Lapa, demos nossas impressões neste post. Possuem uma distribuidora oficial no Humaitá.

Cidade Imperial: Lá de Petrópolis – chamada de “cervejaria do príncipe”, por fazer parte da família real que ainda vive na cidade, possui uma pilsen deliciosa! Fora as três em garrafa, que são muito boas, principalmente, a Helles!

Agora, eles tem um tour oficial, mas quando fomos, visitamos a fábrica MESMO! O técnico no local mostrou as cervejas sendo rotuladas a mão, bem artesanal mesmo. E ainda provamos o chope tirado da serpentina, na hora, ali. Perfeito.

Duas Cabeças: Ainda não tivemos a oportunidade de experimentar as três cervejas desta marca, mas uma com o nome de MaracujIPA chama a atenção! 🙂

Botto Bier: Vendida em lojas especializadas e no Botto Bar, de seu mestre cervejeiro Leonardo Botto.

Chopp Daserra: Melhor pilsen engarrafada que já provamos na vida! Cremosidade, sabor, cheiro, cor… tudo excelente! Falta acharmos aqui no Rio em algum local especializado, pois só a vimos lá em Teresópolis, numa distribuidora avulsa.

Boteco Salvação: Mais um pubzinho, onde rolam vários eventos legais e música ao vivo. Possui um chope próprio, amanteigado na medida certa. Fica em Botafogo.

Barão Bier: Dita primeira cervejaria de Nova Friburgo, mais uma que precisamos provar. É muita cerveja nesse mundo, meu Deus! O_O

Chopp Clássico: Fica lá em Triagem, bem perto do metrô e do CADEG. Sempre vemos o carro da entrega passando em frente a nossa casa, mas nunca conseguimos experimentar seus chopes, em especial, o de vinho! Só provamos chopes pavorosos de vinho, esperamos que este valha a pena!

Caborê: Fomos em Paraty pro Festival da Cachaça e não sabíamos desta cervejaria! Precisamos voltar pra provar (tanto a nova cerveja como as boas cachaças do local). 😉

Pe’Ahi: A “cerveja da onda”, uma Amber Ale bem gostosinha! Recomendamos ir no restaurante de mesmo nome, nem que seja apenas para prová-la. Tem unidades no Shopping Tijuca, na Barra e na Gávea.

Das grandes, para não falar que não mencionamos:

Bohemia: Vale a pena conhecer o tour, que conta a história da cerveja e das muitas marcas que passaram pelo Brasil. A sua cerveja de trigo vale pelo custo/benefício. A confraria tem um gosto todo especial, que vale muito seu investimento. E boa desculpa pra visitar Petrópolis.

Itaipava: Dá pra visitar a fábrica do Grupo Petrópolis mesmo e ver a produção em larga escala! Máquinas gigantescas, passando, limpando, rotulando e enchendo garrafas de um lado para o outro. Parece aqueles episódios de desenhos antigos, muito maneiro! Fora que, no final do tour, provamos os MELHORES CHOPES DE NOSSAS VIDAS!

E como é da Itaipava, pode até achar suspeita nossa opinião, mas te afirmo: Aqueles chopes tirados no final do tour não são os que vendem pro consumidor final, fato! O pilsen estava perfeito e o black era A PERFEIÇÃO SUPREMA! Dá água na boca só de lembrar a cremosidade daquele chope.

Eles possuem as marcas Weltenburger Kloster, Petra, Black Princess e a Lokal Bier. Ah, e adivinha onde que a cervejaria fica? XD

…Ufa, terminamos!

Conhece alguma cervejaria que deixamos de listar? Conte pra nós nos comentários.

E pra finalizar:

Vamos atrás de todas! 😀

Fica a dica!

Anúncios
4

Visite a Vila St. Gallen (e tome ÓTIMOS chopps e cervejas)!

No último final de semana resolvemos colocar em prática nosso já pensado plano de subir a serra e conhecer o local responsável pelas cervejas St. Gallen e Therezópolis (e em breve uma versão 600 ml da Sul Americana). Estamos falando da Vila St. Gallen, espaço criado para reproduzir uma vila germânica e toda a sua beleza em torno da cultura cervejeira.

Agendamos nosso Biertur para o sábado. Encontramos facilmente o local, que ficava perto da pousada onde estávamos hospedados. Vejam a beleza do lugar:

O atendimento é também algo a se ressaltar. Além de muito bem caracterizados, os funcionários são muito bem treinados, atenciosos e educados com os clientes. Isso sem dúvida torna a experiência melhor. Durante o tour, visitamos os espaços da vila, conhecemos a história da família que levou a cultura cervejeira para Teresópolis e vimos o local onde algumas das cervejas são produzidas.

O tour em sí custa R$ 25 por pessoa e inclui a degustação de dois chopps e este ano, por estar completando 100 anos, a cervejaria dá uma taça maneira da cerveja Therezópolis Gold com rótulo de comemoração. Os chopps são fantásticos e a taça é linda. Ah, além da pessoa que te acompanha pela vila inteira contando vários detalhes, muito interessante! Mas nada te impede de apenas entrar, conhecer e consumir por você mesmo! 😉

Após a degustação, sentamos no salão principal, chamado de Bierfest para o almoço. O cardápio feito pela chef Aline Nascimento é todo harmonizado com as cervejas da casa e sem dúvida é um espetáculo a parte. Dentre outros, provamos um joelho de porco delicioso! Desmanchava na boca!

A vila conta ainda com uma capela (pequena, mas linda), uma loja de souvenir, uma cafeteria, atelier e um quiosque onde é possível encontrar queijo de cabra produzido na região e doces caseiros.

Toda a decoração é feita pra te dar sensação de estar em uma vila europeia e com o clima frio da cidade, o cenário cumpre o seu papel.

Além das maravilhosas cervejas St. Gallen e Therezópolis já conhecidas por nós, tivemos prazer experimentar a Therezópolis Ebenholz e os chopps da casa, com incrível aroma e sabor diferenciado da cervejas. Fica difícil até de descrever. Simplesmente fantásticos!

Da cervejaria faltou aproveitar dois espaços que serão inaugurados no final deste mês, um restaurante em estilo francês e outro para fondue. Então precisamos fazer o sacrifício de voltar à Vila St. Gallen. Ah, que chato! 😀

Visitem! Vale a pena cada centavo e minuto empregados!

Onde: Rua Augusto do Amaral Peixoto, 166, Alto – Teresópolis – RJ – Tel.: 21 2642-1575

Como chegar: Tem uma rodoviária Teresópolis lá! Depois, só pegar um ônibus em direção ao Bairro Alto que se acha facinho depois! #quem-tem-boca-vai-roma-e-toma-cerveja-boa

Por quanto: Olha, te falar que não é tãaaaao barato assim. Mas lá vale aquela máxima: Você paga o que você recebe. Fato.

Artigos e sites relacionados:

Site oficial da Vila St. Gallen aqui.

Post da Enoteca sobre o local aqui e opiniões no Kekanto aqui.

Facebooks aqui, Twitter aqui e Foursquare aqui.

Fica a dica!

2

Cervejas do meu mundo a fora: Sul Americana

Chegou a sexta-feira! Todos grita! Ehhhhhhh! \o/\o/

Junto com a sexta vem aquela voz lá do seu bar preferido que te chama e martela na sua cabeça enquanto o expediente não acaba: “Beba cerveja, beba cerveja”… o_O

Não vejo tema que combine melhor com o dia de hoje. Então vamos lá!

Já contamos que somos grandes fãs do mercado Pão de Açúcar? Lá temos cartão de cliente que dá direito a desconto. Além do fato de vender várias cervejas muito boas e com custo/benefício atraente. Numa dessas visitas ao mercado, descobrimos uma cerveja tipo Pilsen. Sabe aquelas fabricadas pela AMBEV e que você encontra pelos bares a fora? Então, tipo essas, mas de melhor qualidade. Apresentamos: Sul Americana.

Fabricada em Teresópolis pela cervejaria St. Gallen, é uma cerveja tipo Pilsen, como já dito antes, leve, dourada e com bom teor de amargor e de baixa fermentação. Ela é vendida na versão litrão e no Pão de Açúcar compramos por R$ 6 e consideramos um ótimo preço, levando em conta a qualidade da cerveja. A Sul Americana passou num teste que para nós fundamental para considerar uma cerveja boa. Não se torna intragável a medida que esquenta. Se nunca percebeu isso, preste atenção, quando uma cerveja esquenta um pouquinho e você já não consegue beber de tão ruim que fica, é um alerta. (Cervejaria, você pode estar fazendo isso errado!) 😉

Vai bem com petiscos, churrasco e dias quentes como os que temos apreciado.

Fica a dica!